AUTENTICAR

4 dicas para ter melhores resultados na partilha de imagens no seu Facebook

É sabido que as imagens têm um enorme poder na comunicação digital. No Facebook então o seu poder é exponencialmente maior que qualquer outro tipo de publicação. São diversos os estudos que o comprovam. E no meio de tanta informação contraditória sobre o Facebook, o poder das imagens é talvez o único ponto em que todos os estudos são unânimes.

Mas então porque será que nem todos conseguimos tirar o máximo partido do poder das imagens?

Deixo aqui 4 dicas que o ajudarão a utilizar melhor as imagens na comunicação digital.

1 - Use os tamanhos de imagem  fornecidos pelo Facebook

O Facebook disponibiliza todas as dimensões para que possamos optimizar as imagens que divulgamos. Se não o fizermos os algoritmos do Facebook tratam de as optimizar por nós. Claro que os resultados que vamos obter com uma imagem optimizada pelo Facebook são piores que os resultados obtidos com uma imagem optimizada por nós. A optimização do Facebook é feita por um algoritmo, que embora seja tecnicamente excelente, não chega sequer ao perto da nossa capacidade de processamento.

Assim sendo não seja preguiçoso e optimize as suas imagens para os tamanhos  843x403 se quiser dar destaque à imagem ou 403x403 se não pretender dar destaque à imagem.

2 - Sabe a importância que a sua  foto de perfil tem no sucesso da sua comunicação?

A pequena foto de perfil é muitas vezes ignorada mas tem uma importância capital no sucesso da nossa comunicação. É sabido que os utilizadores passam maior parte do tempo no feed de notícias. E que maior parte da interacção gerada na comunicação digital também ocorre nesse mesmo feed.

                Agora deixo uma questão: "Já foi ao feed de notícias ver como aparece a sua imagem?"

Se nunca fez esse exercício, faça-o agora e vá verificar se a sua imagem de perfil se destaca das demais. É que no feed de notícias a "concorrência" por maior destaque é muito feroz. E só as imagens bem estudadas ganham o merecido destaque.Se a página de Facebook que gere é de uma empresa certifique-se que esta tem uma versão do logótipo optimizada para o Facebook. Aliás, esta é uma característica que qualquer logótipo criado nos dias de hoje deve ter em conta.O logótipo utilizado nas redes sociais deve ser de extrema simplicidade. De forma a que tenha uma correcta leitura em tamanhos tão pequenos como são os que aparecem no feed de notícias. O uso de uma mancha de cor sólida é uma boa prática. Já a opção de utilizar uma imagem na foto de perfil tem, na maioria das vezes, maus resultados.

3 - Tenha em atenção às cores que usa

Claro que se tem um logótipo verde ou azul, não deve mudar as cores por causa da comunicação no Facebook. Melhor dizendo. Se a comunicação da sua empresa não tem como principal ponto de contacto com o cliente o Facebook, não eve mudar a cor do seu logótipo, mas se o Facebook for um importante ponto de contacto com os seus clientes e tiver o tal logótipo azul ou verde, é capaz de não ser pior começar a pensar em fazer um rebranding e mudar a cor do seu logótipo.

E porque deve ter essa atenção. Analisando cromáticamente o Facebook rapidamente nos apercebemos que a cor azul predomina na plataforma. Assim as cores que se destacam nesse meio cromático com predominância de azul, são os amarelos e laranjas. Cores opostas ao azul na roda das cores. As chamadas corres complementares.

Mesmo a nível de imagens partilhadas, as imagens com maior predominância de amarelo e laranja obtêm melhores resultados. Pode fazer o seguinte teste. Crie 2 versões da mesma imagem e no photoshop. Uma com tons amarelados e laranjas e outra com tons azulados e verdes. Faça a publicação das 2 com cerca de 1 mês de espaçamento temporal. As mensagens devem ser feitas precisamente à mesma hora e com o mesmo conteúdo de texto. Verifique os resultados.

4 - A simplicidade atrai

O feed do Facebook é inundado de mensagem a todos os minutos. Perante a confusão geral que é essa "catadupa" de informação, os conteúdos gráficos mais simples ganham claro destaque.

Se tiver que publicar uma imagem para passar a sua mensagem, opte por uma que seja de simples leitura e que prenda de imediato a atenção dos seus leitores. A menos que pretenda fazer um passatempo do tipo "onde está o wally". Ai sim os seus leitores estarão com disposição de ficar uns segundos a olhar para a sua imagem.

A importância do EcoDesign nas Empresas

O Ecodesign deu os seus primeiros passos por volta da década de 90, nos Estados Unidos da América. O contínuo desenvolvimento industrial e o aumento da poluição levou empresas e cientistas a tomarem medidas de prevenção, e na tentativa de criarem produtos com o mínimo impacto ambiental possível, foi criada a tendência Ecodesign. Está, associada ao conceito de sustentabilidade e reciclagem, tenta travar o índice de emissões poluentes para o ambiente e a redução da de matéria-prima utilizada. O Ecodesign ainda é pouco referido em Portugal e muitos nem sabem bem do que se trata. Afinal, no que consiste o seu conceito?

O aspecto mais marcante desta tendência é o facto de considerar todo o ciclo de vida do produto - desde a sua criação, ate ao seu fim de vida e reciclagem. Ou seja, todas as emissões e utilizações de matérias-primas são consideradas desde o início, tanto no que se refere à escolha do material a utilizar no objecto, como a própria fabricação do mesmo. Actua nos campos da Arquitectura, Engenharia e Design e os objectos originados são eficientes e ecológicos.

O design para a desmontagem, a qualidade e a durabilidade são factores essenciais para que um objecto seja bem sucedido neste campo. No entanto, não são objectos meramente decorativos, mas também utilitários, que podem ir deste uma peça de mobiliário a materiais de construção inovadores. E já no seu fim do ciclo de vida, são todos reaproveitados e reutilizados, tendo em consideração todo o impacto ambiental que daí advém. E perante a nossa sociedade actual e responsabilidade social, estão as empresas dispostas a investir e lançar produtos respeitando os critérios do Ecodesign? E os consumidores estarão prontos a aceitar estes serviços e produtos? Vivemos numa época em que são criadas cada vez mais necessidades de consumo, o que origina um aumento acelerado do mercado para conseguir satisfazer todas as necessidades consumistas, o que inevitavelmente contribui para altos consumos de energia e para um aumento do impacto ambiental, não só a nível de produção química, mas também no consumo excessivo de recursos.

Basicamente, esta é a principal da crise ambiental em que vivemos hoje e que nos afecta cada vez mais. E por isso mesmo a implementação de medidas sustentáveis como é o caso do Ecodesign, é urgente e necessário. Os consumidores vêem essas medidas como factor diferencial, fiável e respeitável por parte da empresa e da sociedade. Segundo o livro de Carolina Afonso, Green Target, “os consumidores com consciência ecológica elevada apresentam uma intenção média de compra de produtos verdes mais elevada”, o que revela uma grande aceitação dos consumidores e um interesse enorme em contribuir para um mundo mais “verde”.

Desta forma as empresas criam um novo factor competitivo e mais importante ainda, uma estratégia de marketing pessoal. A venda de produtos e serviços diferenciados da concorrência aliados a uma boa comunicação demonstra no mercado inovação e diferenciação. Entretanto, a credibilidade e confiança geram no consumidor vontade de compra e aquisição o que consolida a posição da empresa a médio e longo prazo. Porém não é apenas uma questão de venda. As empresas debatem-se cada vez mais com a responsabilidade social e as regras que a este nível lhe são aplicadas. Uma empresa que oferece produtos e serviços sustentáveis, demonstra a sua preocupação ambiental e interesse na preservação do planeta. E este é um factor tido em consideração pela maioria no momento em que decide se opta por uma empresa ou por outra. Claro que, apesar de todos os aspectos positivos, as empresas têm que ter em atenção o custo mais elevado que o conceito acarreta, mas devem também considerar a importância económica e social da implementação de medidas sustentáveis.

Assim, empresas e consumidores, contribuem para um papel socialmente mais responsável e, consequentemente, para a protecção do meio ambiente.

 

Artigo escrito por: Patrícia Galvão

A magia das imagens

Quando saiu a notícia da compra do Instagram pelo Facebook muitos foram os que admiraram com os números que foram oferecidos por Mark Zuckerberg. Mas de 700 milhões de Euros foi a oferta da rede social para comprar o Instagram e juntar os fundadores da empresa à equipa de desenvolvimento do Facebook.

Preparando o futuro

Mark Zuckerberg e a sua equipa com esta compra preparam o futuro que todos sabemos que será mobile. A experiência de utilização do instagram em smartphones é incomparavelmente mais agradável que a experiência do Facebook.

A maior base de dados de fotografia

Neste momento o Facebook já é uma das maiores bases de dados de fotografia que alguma vez existiu. Com a aquisição do Instagram a base de dados crescerá a um ritmo alucinante.

Mas porque o Facebook pretende ter esta base de dados gigantsca?

Potencial de interacção gerado pelas imagens

As imagens têm um potencial a nível de comunicação brutal. A multiplicidade de leituras que uma imagem tem, dá a hipótese da mesma imagem ter (numa situação extrema)  uma interpretação por cada visualização e desse modo ter um potencial de gerar partilhas, comentários e gostos.

Mudanças na timeline

O Facebook apercebendo-se da importância das imagens na comunicação dos seus utilizadores, aprontou-se a fazer rectificações que dêem maior destaque à imagens. Desta forma introduziu e tornou obrigatória a timeline em que as imagens ganharam enorme destaque

Aproveitando o pior dos utilizadores

O sucesso do uso das imagens nas redes sociais em geral e no Facebook em particular nasce da leitura de hábitos dos utilizadores que o Facebook faz.

Com essa leitura o Facebook rapidamente chega à conclusão que os utilizadores da rede social são preguiçosos! Por ai se entende o sucesso das comunidades que partilham imagens, frases feitas e outras banalidades. Essas comunidades não estão a fazer mais do que a criar conteúdos para o público (preguiçoso) partilhar.

Claro que as empresas que têm estratégias correctas de comunicação digital também conhecem e aproveitam essa característica tão vincada nos utilizadores das redes sociais.

 

Concluindo podemos dizer que o sucesso das redes sociais vive das imagens e que estas podem fazer magia pela comunicação de uma empresa.

A importância da imagem como factor de conversão

Já imaginaram um bom site de vendas online sem conteúdos de imagem? A imagem é o principal factor de proximidade do cliente com a realidade palpável. Num meio virtual como são os sites de vendas online, esse factor é fundamental para o aumento da confiança do consumidor na sua empresa, site e produto. A importância da imagem VS texto em SEO

A importância do conteúdo de texto é por demais realçada por todos os experts em SEO. Ninguém coloca em causa esse facto. O que acontece muitas vezes, é que os experts em SEO preocupam-se tanto em optimizar o site para os motores de pesquisa, que acabam por se esquecer que os sites são feitos para os utilizadores humanos visitarem, interagirem e comprarem. De que nos serve ter um site colocado nas primeiras posições dos motores de pesquisa, se os utilizadores quando o visitam não compram nada? As imagens, para além de poderem ser uma óptima técnica de SEO, são a ligação entre o mundo virtual, que é a internet, e o mundo real dos utilizadores. Uma imagem vale por 1000 palavras Uma imagem transmite mais verdade que milhares de palavras escritas em excelente português. Desde sempre o ser humano acreditou mais no que vê do que no que lê. A velha máxima, que diz que “uma imagem vale por 1000 palavras”, continua válida e tem especial força nos sites de vendas online. Para além da veracidade transmitida pela imagem, o designer pode trabalhar a cor e a forma desta, adequando o site ao público-alvo a que se destina. Desta forma, a ligação existente entre o cliente e o seu site sairá reforçada. A consequência do reforço desta ligação, será uma maior interacçãoentre ambos, que servirá como entidade facilitadora do aumento de transacções.

 

Vantagens do uso de imagens em sites comerciais Das diversas vantagens que existem em usarmos imagens num site comercial, destaco as seguintes: - Informação adicional. Ao utilizar uma imagem para ilustrar um artigo, estará a detalhar a informação de forma precisa. Quando falo de imagens podem ser fotografias, gráficos, infografias e demais imagens que fornecem informação adicional relevante. - Reforço da ideia. Se o seu site vende um artigo com argumentos únicos, que todos os utilizadores deverão comprar, não basta dize-lo, tem de reforçar a ideia da genialidade do seu produto na mente do utilizador. Para isso nada melhor que usar uma boa imagem do produto que passe os valores que o seu produto tem e o utilizador procura. - Estética Um site cheio de texto é óptimo para os robôs dos motores de pesquisa, mas é péssimo para os utilizadores. Uma imagem dá um ar mais agradável a um conteúdo de texto, que até pode ser chato! Exemplo de utilização de imagens num site comercial Uma das melhores formas de sabermos quais as boas práticas do uso de imagens em sites comerciaisé a análise de alguns dos sites de referência na área. Porque é que um site de vendas online, como o site da FNAC, tem cerca de 80% dos seus conteúdos em imagem? Os produtos que estão à venda são expostos com imagens apelativas. As promoções e destaques utilizam imagens fortes que incitam à acção.

Conclusão O conteúdo texto direcciona o público-alvo para o seu site. O conteúdo imagem ajuda a converter os visitantes em compradores. Numa correcta estratégia, ambos os conteúdos devem ser trabalhados para que o site tenha o máximo de visitantes qualificados e a taxa de conversão seja elevada. Nota final: Lembre-se sempre que quem faz compras no seu site, são os seus clientes e não os motores de busca!

9 em 10 Marketers não conhece a Regra 60/30/10


Das diversas tarefas que um marketer tem no desenvolvimento de um web site, a escolha ou aprovação de uma palete de cores a ser utilizada é uma das mais importantes e que muitas vezes acaba por ser decidida com base no gosto pessoal (”gosto mais desta cor”, “acho que assim fica mais bonito”, etc…). 

Felizmente existem regras que permitem aos marketers tomar uma decisão fundamentada e encaminhar os designers no projeto.

Infelizmente a maioria dos marketers (segundo inquérito online 9 em 10) não conhece estas regras e continua a tomar decisões com base no “acho que…”

 

PORQUE DEVO CONHECER A REGRA 60\30\10?

A regra 60\30\10 permite definir um esquema de cores que funciona na perfeição em qualquer site. O conhecimentos desta regra por parte dos marketers permite-lhes orientar os designers na criação de layouts para site que sejam mais apelativos, reflitam os valores da empresa e convertam em melhores resultados.

A REGRA DE COMBINAÇÃO DE CORES 60\30\10 FUNCIONA SEMPRE?

A verdade é que estando a falar de design, nenhuma regra de escolha de cores é completamente infalível. O design também tem a ver com o gosto pessoal e ai é impossível haver regra.

Mas na parte científica do design (sim o design é uma disciplina que tem regras e valores científicos) existem regras que permitem aos designers criar layouts de sites que funcionem melhor e que vão de encontro ao que os marketers pretendem do site. Uma das principais regras e também das mais desconhecidas por parte dos marketers é a regra 60\30\10 que permite escolher uma palete de cores que dará um aspeto unificado ao seu site.

Trabalhando com um designer que tem conhecimento da teoria da cor, a regra 60\30\10 funciona a 100%.

A REGRA 60\30\10 APLICA-SE APENAS AO WEB DESIGN?

Não! A regra60\30\10 é uma regra “universal “do design e é aplicada em design gráfico, design de interiores, design de moda, etc…

COMO APLICA A REGRA 60\30\10?

A regra 60\30\10 estabelece que utilizando 3 cores em percentagens diferentes (60%, 30% e 10%) conseguimos criar harmonias cromáticas perfeitas.

A cor que escolhermos como cor principal do projeto deve ser usada em 60% do espaço do layout. A utilização massiva desta cor criar um tom unificador em todo o projeto. 30% do layout devem ser usados com a cor complementar à cor principal de forma a criar um efeito de contraste com a cor primária. Os restantes 10% serão utilizados com uma cor complementar à cor usada nos 60% ou nos 30%. Esta cor deve ser usada por exemplo em apelativos botões Call to Action.

ENTÃO SÓ USO ESTAS 3 CORES?

A regra 60\30\10, apenas serve para definir as percentagens de uso das principais cores no site, depois pode e deve usar outras cores análogas para criar uma maior variedade cromática, ritmo e dinâmica ao seu projeto web.

 

Assinar este feed RSS