AUTENTICAR

Impedir acesso a medias sociais nas empresas, why?

1

Hoje venho partilhar convosco a minha opinião sobre um assunto que tem preocupado muitas empresas, que corresponde à utilização das redes sociais em horário de trabalho.

Muitas empresas, têm decidido cortar o mal pela raiz, bloqueado o acesso aos diversos medias sociais. No meu ponto de vista, esta situação levanta dois inconvenientes imediatos para a empresa; 1º consiste na procura de soluções por parte dos funcionários que acedem através do telemóvel ou pesquisam formas de desbloquear conteúdo. Correm o risco de entrar num ambiente de "caça ao rato". 2º desmotivação que será, cada vez mais, uma problemática, tendo em conta as gerações que entrarão para o mercado, As gerações são envolvidas por épocas, marcadores temporais e valores. A geração “Y “é marcada pela época da “conectividade”.

Para que se tenha noção, há bebés que já nascem com perfis criados em redes sociais em que os pais mantêm o perfil como que um “diário” do bebé. Esta realidade pode vir a ser um grande problema para as empresas que não se adaptem. É essencial perceber as pessoas e tentar antecipar algumas tendências, tomando medidas em prol dos colaboradores e dos progressos da empresa. Obviamente que ninguém está aqui a apelar às empresas que tolerem que os seus colaboradores, indisciplinados, cheios de trabalho andem a jogar no Facebook, a trocar ideias no Twitter, ou a ver vídeos no Youtube. Quando levantamos a necessidade de adaptação por parte das empresas, é numa perspectiva de incentivar à(re)configuração organizacional que visa disciplinar os colaboradores relativamente ao uso destes medias. Muitos jovens profissionais, já dão privilégio à mensagem instantânea face ao e-mail e, a sua utilidade começa a ser inquestionável. Vejamos um exemplo claro. Se eu tenho o meu cliente/colega/fornecedor na minha rede de contactos online (permitindo o contacto via mensagem instantânea), mesmo que ele tenha o meu e-mail, qual a forma mais eficaz para interagirmos?

O E-mail, para muita gente e essencialmente para os jovens, começa a ser uma solução “passada” e pouco eficaz. Este é um assunto delicado e cada caso é um caso, mas como finalidade deste artigo, gostava de deixar claro que não são as redes que tiram produtividade. São as pessoas que fazem uma má utilização das redes, muitas vezes por falta de disciplina organizacional. Cortar o mal pela raiz, bloqueando os acessos, é a medida mais fácil, mas seguramente a menos eficaz para o médio prazo. Para que possamos estar conectados ao mundo, temos que nos auto-disciplinar e definir prioridades (como em tudo na vida) e cabe às empresas, fornecerem as “bases” para essa auto-disciplina nos seus colaboradores. O uso dos media sociais e da internet em geral, deve estar disponível em todas as empresas e para todos os colaboradores, desde que o seu uso seja consciente, racional e produtivo. Será certamente um desafio inicial, mas se a empresa “se defender”, com códigos de conduta e adquirir competências, para disciplinar os seus colaboradores para esta nova realidade, ninguém ficará desmotivado e a produtividade pode mesmo vir a aumentar. Quem é que nunca teve um momento no trabalho em que a produtividade é quase nula, em que mais vale ir “arejar” um bocado e depois voltar? Os media sociais podem ser a solução para este “arejar”, e para as pessoas regressarem ao trabalho com outra postura e determinação. Desta forma, as empresas conseguem ter também um maior controlo relativamente à actividade dos seus colaboradores (monitorização). Em vez de estarem contra a sua utilização, devem estar ao lado dela. Neste processo de adaptação é indispensável que a empresa deixer claro que existem regras e normas a seguir e quem não as cumprir terá que assumir as devidas consequências. 

Já são mais de 4.500.000 utilizadores de Internet, de diversas idades, dos quais, segundo a Marktest - um mínimo de 2289 mil utilizadores únicos e um máximo de 2534 mil utilizadores únicos acederam a redes sociais a partir de suas casas no primeiro semestre do ano. . É um número demasiado elevado para continuar a ser desprezado. Um mau profissional, será sempre um mau profissional,  independentemente das formas de distracção que tiver à disposição. Para ver estudo sobre Comportamento dos internautas portugueses (Redes Sociais) clique AQUI

Assinar este feed RSS